Com o intuito de estabelecer um diálogo prévio com órgãos auxiliares, o Governo de Sergipe, por meio da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano e Infraestrutura (Sedurbi), realizou nesta quarta-feira, 5, reuniões técnicas para alinhar estratégias e dar celeridade à avaliação dos projetos de construção da segunda ponte Aracaju-Barra dos Coqueiros e do Complexo Viário Coroa do Meio-Tancredo Neves, na capital sergipana. Os encontros contaram com a participação do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), da Marinha do Brasil/Capitania dos Portos de Sergipe e das empresas vencedoras das concorrências que irão viabilizar os estudos para os projetos.

As reuniões ocorreram nas sedes das instituições e tiveram como principal objetivo esclarecer pontos relevantes, possíveis recomendações quanto aos projetos apresentados de acordo com as normas vigentes, a fim de que, devidamente aprovados, os trâmites sigam normalmente sem nenhuma interferência, e quando iniciadas, as obras sigam o cronograma previsto.

Segundo o capitão dos Portos de Sergipe, Alexandre Almeida Gomes Ferreira,  o diálogo estabelecido pelo Governo do Estado com o órgão desde o início agilizou o transcorrer no trâmite do processo. “A  atuação da Marinha do Brasil/Capitania dos Portos se limita a analisar os possíveis impactos e restrições que porventura essas obras venham causar à navegação nas áreas em que serão construídas. Nesse sentido, a obra do complexo viário está mais avançada; o projeto já foi analisado e passará por uma adequação, o que tornará mais simples a análise final, uma vez que já dispomos de uma documentação devidamente dentro das normas exigidas”, explicou.

Ainda segundo Alexandre Almeida, o projeto em questão servirá de referência para o esboço de outros futuros. “Por ter complexidades similares, o projeto da ponte incluída no complexo viário servirá de modelo para que quando o projeto da futura ponte Aracaju-Barra for elaborado não seja preciso nenhum tipo de adequação, visto que, seguindo o exemplo do já avaliado por militares especializados da Capitania dos Portos, o novo projeto estará dentro das habilidades seguras de operação e, por conseguinte, quando for dada entrada em nossa instituição, sua análise será a mais célere possível, já que não mais precisará passar por nenhum tipo de alteração”, frisou.

De acordo com a secretária-executiva da Sedurbi, Ana Cristina Prado Dias, o resultado das reuniões foi muito produtivo. “É um trabalho elaborado a muitas mãos, cujo propósito é mitigar ao máximo todas as intempéries, desafios e quaisquer problemas que possam surgir no decorrer da execução dessas obras, dada a magnitude e a complexidade que elas possuem. A ideia é convergir com os órgãos parceiros, a exemplo da Marinha do Brasil/Capitania dos Portos de Sergipe, afinal iremos construir pontes, o que, de certo modo, interfere em algumas questões que são de responsabilidade da instituição”, ressaltou.